O IMPACTO EMOCIONAL SOFRIDO PELO ESCOLAR EM PROCESSO DE HOSPITALIZAÇÃO

Ana Maria Moreno de Oliveira, Viviane Salete Silvestro

Resumo


O presente artigo tem como objetivo analisar como crianças e adolescentes hospitalizados podem ter uma experiência de internamento menos traumática, através da intersecção Psicologia, Educação e Leis de Humanização. Por meio de estratégias utilizadas pelos profissionais da psicologia e da saúde, somam-se os profissionais da educação no âmbito hospitalar, utilizando como recurso terapêutico a continuidade da escolarização interrompida devido ao seu adoecimento. A continuidade da escolarização, portanto, passa a ser uma alternativa dentro dos hospitais, além do cumprimento de uma lei, também, como um recurso terapêutico, em que o continuar aprendendo tem um significado real para que crianças e adolescentes possam prosseguir sua atividade de maior significado nesta fase da vida. Este artigo foi construído através de pesquisa bibliográfica em que se propõe uma investigação sobre os enfrentamentos destes educandos, a respeito dessa nova realidade vivenciada por eles, em um ambiente que passa a fazer parte da rotina do, agora, aluno/paciente, sujeito ao processo de hospitalização, processo este que engloba as alterações físicas, psíquicas e sociais, os procedimentos invasivos para tratamento e o significado do afastamento dos espaços dos quais faziam parte de sua realidade.

Texto completo:

PDF


Esse periódico está licenciado sob uma Licença Creative Commons CC BY 4.0

https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt_BR