FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES: UM ESTUDO EM UNIVERSITÁRIAS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO PARTICULAR

Carlos Alexandre Molena Fernandes, Ana Paula Cestari Rodrigues, Vanessa Tais Nozaki, Sonia Silva Marcon

Resumo


Este estudo teve como objetivo verifi car a prevalência de fatores de risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares
em estudantes universitárias. Para tanto, foram utilizados os seguintes instrumentos: Teste de Atitudes Alimentares (EAT-26), que tem
como fi nalidade identifi car os sujeitos com padrões alimentares anormais e Teste de Investigação Bulímica de Edimburgo (BITE), cujo
objetivo é investigar comportamentos bulímicos e sua gravidade. Foram avaliadas 216 estudantes de uma instituição de ensino superior
privada da cidade de Maringá-Pr. De acordo com o EAT-26, 23,61% das alunas apresentaram comportamento alimentar inadequado,
indicando a presença de fatores de risco para o desenvolvimento de anorexia nervosa. Em relação à avaliação da bulimia nervosa, foram
identifi cadas 38,42% das alunas com escores superiores ao limite da normalidade. Deste percentual, o BITE revelou que 30,55% das
estudantes possuem comportamento alimentar não usual, indicando comportamento de risco. Verifi cou-se ainda que 7,87% apresentaram
comportamento alimentar compulsivo, o que indica possível diagnóstico de bulimia nervosa. Os dados desta pesquisa demonstram uma
alta prevalência de possíveis transtornos alimentares na população estudada, com dados semelhantes e até superiores aos índices obtidos
por outros estudos. Esses resultados apontam para uma prevalência crescente de transtornos alimentares entre mulheres jovens, indicando
a necessidade de avaliações mais detalhadas e a implementação de programas de intervenção nutricional.
PALAVRAS–CHAVE: Transtornos alimentares, bulimia nervosa, anorexia nervosa.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v11i1.2007.985