BULLYING ESCOLAR: OS DANOS SOCIAIS E OS ASPECTOS JURÍDICOS DO FÊNOMENO

Paulo Roberto Robles Estebon Segundo, Andressa Francieli Gonçalves de Souza, Danilo Kutianski de Souza, Heverton Garcia de Oliveira, Fabio Ferreira Bueno, Luiz Roberto Prandi

Resumo


O termo bullying compreende todas as ações agressivas, propositais, não motivadas e repetitivas que são adotadas por um ou mais indivíduos contra outro(s). Essas atitudes causam grande sofrimento e angústia à vítima que, devido a uma relação desigual de poder, fica impossibilitada de se defender e é levada a ter sentimentos negativos e destrutivos, como os de vingança e suicídio. O comportamento agressivo entre estudantes é um problema universal, tradicionalmente admitido como algo comum, frequentemente ignorado ou desvalorizado pelos adultos e tolerado pela comunidade escolar. Nas últimas décadas, o bullying vem ganhando a atenção da mídia, sociedade e governo devido aos altos índices de seu acontecimento e às tragédias por ele causadas, passando então a crescer o número estudos que abordam o assunto e a sua solução, além de surgirem medidas governamentais referentes ao fenômeno. No presente trabalho é feita a análise das consequências psicológicas que afetam todos os envolvidos e considerações sobre os aspectos legais que oferecem proteção às vítimas e punições aos agressores, frisando o papel dos pais, professores e de toda a sociedade na solução do problema. A prevenção e o combate do bullying escolar constituem-se em necessárias medidas de saúde pública, capazes de possibilitar o pleno desenvolvimento de crianças e adolescentes, habilitando-os a uma convivência social sadia e segura, sem traumas que gerem futuras dificuldades de relacionamento.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/educere.v15i2.2015.5621