ESTUDO MORFOLÓGICO DA VEIA INTERMÉDIA DO COTOVELO

Karinne Ferreira da Silva, Kleber Fernando Pereira, Kathiane Pereira Albuquerque, Juliano Yasuo Oda, Cláudio Silva Teixeira

Resumo


A punção venosa periférica é uma das atividades frequentemente executadas pelos profissionais da saúde, principalmente pela equipe de enfermagem e possui um alto nível de complexidade técnico-científico que exige conhecimentos anatômicos, além da habilidade e destreza manual. A veia intermédia do cotovelo é a principal veia utilizada para esse procedimento. O presente trabalho trata-se de um estudo descritivo macroscópico em quatro cadáveres humanos indigentes, a partir dos quais foi possível identificar e descrever as diferenças morfológicas da veia intermédia do cotovelo. A classificação das veias é baseada em cinco tipos. Em nossa pesquisa, verificaram-se os tipos I (12,5%), II (37,5%), III (0%), IV (25%), V (25%), também foi observado que a veia intermédia do cotovelo possui em média 0,4 cm de calibre, 6,5 cm de comprimento e que se situa em sua maior porção (4,38 cm) acima da prega do cotovelo, em média 3,45 cm distante do epicôndilo medial e 3,92 cm do epicôndilo lateral no nível da fossa cubital, notando a sua estreita relação com o nervo mediano e artéria braquial. Conclui-se que a veia intermédia do cotovelo é assimétrica e não é a veia mais indicada do membro superior para realizar a punção venosa periférica. Recomenda-se aos profissionais da saúde realizar uma análise cautelosa das veias da fossa cubital, utilizar outra veia de calibre semelhante e que outros estudos sejam feitos a fim de descrever as formações venosas da fossa cubital.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v17i1.2013.4977