Estudo Morfométrico de Acrômios em Humanos

Juliano Yasuo Oda, Deise Aparecida Luzetti, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini

Resumo


Morfologicamente o acrômio pode ser classificado em três tipos: tipo I (plano), tipo II (curvo) e tipo III (ganchoso). Neste trabalho, realizamos um estudo com o objetivo de analisar em escápulas de esqueletos humanos, a morfologia do acrômio e alterações degenerativas, procurando estabelecer possíveis correlações morfofuncionais. Foram analisadas 150 escápulas de indivíduos com idades entre 25 e 80 anos divididas aleatoriamente em dois grupos: no grupo A, composto de 100 escápulas, verificou-se a presença de alterações degenerativas; já no grupo B, constituído por 50 escápulas, foram analisados os ângulos de inclinação acromial no plano sagital. Observou-se a presença de alterações degenerativas em 39% das escápulas analisadas. Quanto à localização das alterações degenerativas estas foram observadas nas seguintes regiões: 36% na articulação acromioclavicular; 28%, esporão acromial; em 15%, esporão supra-acromial; em 13%, esporão subacromial e em 8% degeneração associada (incluindo: esporão acromial, subacromial e supra acromial). Em relação ao ângulo de inclinação do acrômio encontrou-se uma maior freqüência de acrômio tipo II (50%), seguida do tipo I (34%) e em menor proporção tipo o III (16%). Conclui-se com esta pesquisa que as variações da curvatura e do ângulo de inclinação do acrômio pode ser considerado como fatores causais da maioria dos quadros de ombro doloroso.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25110/arqsaude.v4i3.2000.1030